Notícias

Vagão Rosa Contra o Câncer de Mama, um passeio que celebra a superação.

la-hs-0049-18-campanaha-outubro-rosa-cover-facebook-a02

A campanha Outubro Rosa é um evento mundial, que chama a atenção da sociedade para a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama, que deve atingir cerca de 59 mil casos no Brasil este ano.

Para reforçar as ações do Outubro Rosa entre nós, criamos, em parceria com a Serra Verde Express, a Campanha Vagão Rosa.

Durante o mês de outubro, o tradicional passeio de trem para Morretes e Antonina – já destacado pela imprensa internacional como um dos mais encantadores do mundo – ganha uma cor diferente.

“Além do alerta à causa, a campanha vai promover apoio a pacientes em tratamento. Vamos destinar parte da verba arrecadada para instituições parceiras do Hospital e da Serra Verde na luta contra o câncer de mama”, explica a gerente de marketing do Hospital Santa Cruz, Juliane Poitevin.

a7da395d-94f9-48c7-a23a-d9e00513677e

Nos trilhos da superação

A primeira viagem do Vagão Rosa contou com a participação de 50 pacientes em tratamento no Hospital Santa Cruz. Entre elas, a dona de casa Maria Viana, 60, que desde criança sonhava em viajar de trem: “Moro em Curitiba e nunca tinha feito esse passeio. É maravilhoso, a realização de um sonho”. A viagem também marcou um ponto importante da trajetória de Maria: a conclusão do tratamento. “Em julho agora fiz o último checkup e recebi alta. A partir de agora só volto ao hospital a cada seis meses para fazer o acompanhamento”, comemora. Desde 2016, quando recebeu o diagnóstico após um exame de rotina, Maria enfrentou duas cirurgias, 12 sessões de quimioterapia e 25 sessões de radioterapia. “Não pensei em nenhum momento em desistir. Só pensava em ir em frente. Não desistam”, aconselha.

A aposentada Jesebel de Oliveira Melo, 58, que também participou do passeio a convite do Hospital Santa Cruz, reforça a mensagem: “O tratamento é longo, é difícil, mas não dá pra desistir nunca”. Ela venceu o câncer de mama há 9 anos, mas precisou passar por uma mastectomia. “Quando descobri, o tumor já estava bem adiantado. Tive que fazer quimioterapia antes da cirurgia, para diminuir o tamanho do tumor, e depois também. Se tivesse sido detectado mais cedo, talvez o processo cirúrgico e o tratamento fossem menores”, analisa Jesebel.

Segundo o gerente médico do Hospital Santa Cruz, Dr. Rafael Moraes, o diagnóstico precoce é muito importante e impacta na recuperação da paciente. “O tratamento do câncer de mama tem evoluído bastante nos últimos anos. Com a possibilidade de combinar terapias, de acordo com o tipo e extensão do tumor, há cada vez menos efeitos colaterais e taxas cada vez maiores de sucesso na eliminação da doença. Dessa forma, a realização dos exames de rastreamento para detecção precoce é fundamental para aumentar ainda mais as chances de cura”, reforça.